“LindaEx”: mais uma polêmica d’O Boticário

No dia 27 de dezembro mais uma campanha polêmica foi ao ar e novamente envolvendo O Boticário.

O comercial, intitulado “LindaEx”, apresenta três casais supostamente reais que se separaram.

O entrevistador pergunta às mulheres ao que levou o término do relacionamento e as respostas são: “Acabou por um monte de coisinhas”, “A gente virou sócio na criação dos filhos”… Já os homens respondem que “Com a rotina, acaba ficando comum ficar do lado daquela pessoa, então deixa de ser atrativo”, “A gente se acostuma com as coisas, com o carro, o anel, com a pessoa que está do lado”, “Acontece de parar de olhar”.

E é aí que entra o desafio: a proposta da marca para essas mulheres é que elas se arrumem mais e se maquiem na hora de assinar os papéis do divórcio.

O resultado são os ex-maridos com cara de bobo.

Assista ao comercial aqui.

Então, é empoderamento ou machismo?

A palavra empoderamento está sendo tão usada nos últimos dias que nem sabemos mais qual o seu significado.

Pois bem: “Refere-se maioritariamente ao aumento da força política, social ou econômica de grupos alvo de discriminação (étnica, religiosa, sexual ou outra). Na esfera individual, refere-se ao desenvolvimento das capacidades de um indivíduo, à sua realização pessoal”, segundo o dicionário online Priberam.

Levando em consideração apenas a esfera individual, pode-se concluir que o comercial fala sim sobre empoderamento. As mulheres retratadas parecem mais realizadas com os novos looks, além do prazer de dar a volta por cima, que gera uma sensação de poder.

Porém, se olharmos por outro lado, sendo as mulheres um grupo alvo de discriminação, o comercial vai na direção oposta. Há dois pontos considerados problemáticos: o primeiro é a fala de um dos entrevistados, colocando a mulher como um objeto com que se acostumou. O segundo fator é que, no final, as mulheres só cumpriram sua missão de estar com a autoestima lá em cima. Num mundo ideal, sentir-se bonita deve ser algo que vem de dentro pra fora, não dependendo do olhar do outro.

A partir dessa polêmica, o Conar vai abrir um processo para julgar o mais novo filme d’O Boticário.

O que você acha do comercial? Empoderamento ou machismo?

Fonte: B9 e Huffpost Brasil



1 comments
misabelborja
misabelborja

Francamente? Nem uma coisa nem a outra, apenas um comercial. Pessoalmente, acho a ideia de que mulher tem que "segurar" marido, que seja a aparência o que mantém uma relação de amor e que a autoestima de uma mulher dependa do olhar do outro, no mínimo, tola, mas não é uma ideia original nem nada que não faça parte das crenças de inúmeras pessoas, provavelmente a maioria. Em suma, é boba? Acho que sim, mas daí a ser ofensiva vai uma enorme diferença.Que qualquer tolice seja digna de intervenção do Conar me parece uma tolice ainda maior. Propaganda não tem que estabelecer padrões morais, tem que se comunicar com as pessoas, com o padrão moral que elas tenham. De resto, é um problema da consciência de cada um, inclusive de quem produz o comercial. Se a sociedade tem essa crença, não cabe ao Conar dizer que ela não pode ter. Cabe a indivíduos que, como eu, consideram-na tola dizer isso, influenciar onde e como podem. O Conar não é mãe de ninguém. Chega disso.